Fonte: OpenWeather

    Empreendedorismo


    Prefeitura pretende melhorar o Microdistrito Industrial de Manaus

    O espaço, destinado a melhorar a instalação de micro e pequenas indústrias que prestam serviço ao Polo Industrial de Manaus (PIM), há 15 anos é subutilizado

     

    O espaço está sendo projetado para ser incubadora e aceleradora de empresas
    O espaço está sendo projetado para ser incubadora e aceleradora de empresas | Foto: Divulgação

    Manaus - A Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal do Trabalho, Empreendedorismo e Inovação (Semtepi), elabora estratégias para melhor utilizar o Microdistrito Industrial de Manaus (Dimicro), localizado no ramal do Brasileirinho, zona Leste.

    O espaço, destinado a melhorar a instalação de micro e pequenas indústrias que prestam serviço ao Polo Industrial de Manaus (PIM), há 15 anos é subutilizado, servindo atualmente como depósito de bens inservíveis da prefeitura.

    O local já foi vistoriado pelo titular da Semtepi, Radyr Júnior, e o subsecretário do órgão, Gustavo Igrejas, que na última sexta-feira (15/01) estiveram novamente nas dependências do Dimicro, acompanhado do secretário municipal de Administração, Ebenezer Bezerra, para avaliar as ações iniciais, conforme as orientações do prefeito David Almeida, para colocar o espaço em atividade.

    “Os bens móveis disponíveis no local serão futuramente leiloados, com o objetivo de gerar renda ao município, e o Dimicro irá de fato implementar e operacionalizar como um incentivador de empresas de tecnologia, de fabricantes de produtos com matéria-prima regional e de cooperativas de trabalhadores em geral, inclusive intermediando a compra garantida dos produtos”, explicou Radyr.

    Ainda segundo ele, o espaço está sendo projetado para ser incubadora e aceleradora de empresas. A ideia, conforme Radyr, é ainda este ano começar as atividades.

    Criação

    O Dimicro foi idealizado em março de 2006, pelo então vereador Massami Miki e executado pelo ex-prefeito Serafim Corrêa, custando à época R$ 10 milhões para ser implementado. Porém, o projeto só foi inaugurado em junho de 2016 na gestão do ex-prefeito Artur Neto, seguindo sem utilização alguma.

    Em 2018 tramitou na Câmara Municipal de Manaus (CMM) um projeto de lei que regulamenta a utilização do espaço onde os galpões seriam disponibilizados às micro e pequenas empresas, mediante processo seletivo.

    *Com informações da assessoria

    Veja mais:

    Mais de 60% dos pequenos empresários pretendem investir em 2021

    Circuito do Trabalho e Empreendedorismo ocorre em Iranduba

    Em um mês, Casarão Cassina se consolida como centro de tecnologia

    Comentários